Interesse secundário na doença

Será que você nunca sentiu uma vontade enorme de ficar em casa, descansando, num "dolce fare niente", mas não consegue "gazetear" o trabalho? Será que você nunca teve uma gripe "providencial" que o deixou de cama por uns dois dias, fazendo com que você não pudesse trabalhar "oficialmente" e com a consciência tranquila? Pois bem, essa é uma daquelas situações que Freud chamou de interesse secundário na doença.

Criança faz muito isso. Seu filho nunca ficou doente, justo antes de uma prova? Nunca ficou com uma febrona no dia do aniversário do seu melhor amigo (seu, não dele, claro), obrigando-os a permanecer em casa?

Claro que sim! Se a gente faz, porque os pequenos não o fariam? O importante é sabermos que esses fenômenos se passam a níveis inconscientes, a criança não faz de propósito. Há atrás disso sentimentos como raiva, medo, insegurança, talvez até ciúmes e muitos outros que até, de alguma forma, aterrorizam a criança. Faz-se então necessário entender a situação. E como? Abrindo espaço para a criança falar e o adulto também. Lembre-se que, muitas vezes, a criança "fala" com o corpo, com gestos, com o olhar, e muitas vezes, com palavras. Mas faz-se necessário abrir espaço para a criança falar. E, para abrir esse espaço, é necessário que escutemos com atenção. Lembre-se que escutar é bem diferente de ouvir.

Escutar é mais que ouvir, é compreender, assimilar, prestar atenção, levar em conta o que o outro fala.

E você, simplesmente ouve ou escuta também?

É possível ouvir e escutar, sem entrar numa ânsia de falar, falar, falar sem parar?

Você me ouviu ou me escutou? Você seria capaz de me dizer o que é o interesse secundário na doença?

 

Grande abraço!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Math Captcha
23 − = 16